segunda-feira, março 28, 2005

Eslováquia potência mundial?

"Vamos receber a Eslováquia em Junho, pelo que o empate neste jogo já é bom".

Esta afirmação foi feita pelos internacionais Paulo Ferreira e Miguel. E apesar de compreender (dificilmente) este racíocinio, não deixa de revelar uma falta de ambição assustadora no seio da selecção nacional. Empatar contra a Eslováquia "já é um bom resultado"? Mas a selecção eslovaca é alguma potência europeia ou mundial em termos futebolísticos e eu não sei? Sem ser Marek Mintal, que é o melhor marcador da Bundesliga com 21 golos, e o avançado Robert Vittek (que nem vai jogar por lesão), desconhecem-se os futebolistas eslovenos. Por isso, por amor de Deus! Vamos mas é jogar para ganhar, porque quem joga a pensar no empate acaba sempre por perder.

4 Comments:

At 3/28/2005 05:57:00 da tarde, Blogger Dourador de apitos said...

Concordo, em parte, com o teu comentário, mas convém não esquecer que, neste momento e com os mesmos jogos disputados, a Eslováquia está empatada com Portugal no primeiro lugar do grupo.
Assim, além de ser conveniente "esfriar" as expectativas e os ânimos, concordo que, objectivamente e desde que ganhemos o jogo em casa, o empate seria sempre um bom resultado.
A Grécia também não era nenhuma potência mundial e foi o que se viu...

 
At 3/28/2005 09:23:00 da tarde, Blogger LEÃO DESDENTADO said...

Mantenho a minha opinião apesar de compreender e respeitar a tua. Mas não te esqueças que a Grécia, na altura do Euro, já era constituída por jogadores que alinhavam nos melhores clubes gregos (que competem assiduamente nas competições europeias e são sempre adversários extremamente complicados), e em alguns clubes europeus conhecidos (por exemplo Charisteias no Werder Bremen, Karagounis no Inter de Milão, etc). E não nos esqueçamos também que era treinada por um dos melhores e mais conceituados técnicos europeus (Otto Rehaggel).
Por isso, penso que não é uma questão de "esfriar as expectativas e os ânimos". Somos das melhores selecções da Europa e estamos num grupo acessível onde o maior adversário é uma (ainda) desconhecida Eslováquia, e não podemos "ficar satisfeitos" com apenas um empate frente a esta formação.
Não tirando o valor do Scolari, o Mourinho nunca permitiria esta mentalidade no seu clube, porque tal como disse "pensar no empate é perder três pontos"...

 
At 3/28/2005 09:25:00 da tarde, Blogger LEÃO DESDENTADO said...

Mantenho a minha opinião apesar de compreender e respeitar a tua. Mas não te esqueças que a Grécia, na altura do Euro, já era constituída por jogadores que alinhavam nos melhores clubes gregos (que competem assiduamente nas competições europeias e são sempre adversários extremamente complicados), e em alguns clubes europeus conhecidos (por exemplo Charisteias no Werder Bremen, Karagounis no Inter de Milão, etc). E não nos esqueçamos também que era treinada por um dos melhores e mais conceituados técnicos europeus (Otto Rehaggel).
Por isso, penso que não é uma questão de "esfriar as expectativas e os ânimos". Somos das melhores selecções da Europa e estamos num grupo acessível onde o maior adversário é uma (ainda) desconhecida Eslováquia, e não podemos "ficar satisfeitos" com apenas um empate frente a esta formação.
Não tirando o valor do Scolari, o Mourinho nunca permitiria esta mentalidade no seu clube, porque tal como disse "pensar no empate é perder três pontos"...

 
At 3/31/2005 04:10:00 da tarde, Blogger Dourador de apitos said...

Não é pela repetição que me convences...

 

Enviar um comentário

<< Home