quarta-feira, março 23, 2005

O porquê das coisas

Ultimamente tenho ouvido todo o tipo de barbaridades para justificar a primeira posição que o Benfica ocupa na Superliga. Já ouvi dizer que está a ser levado ao colo, que as arbitragens são uma vergonha, que os restantes concorrentes estão a ser prejudicados, e o chorrilho de asneiras continua.
Proponho um pequeno exercício de memória que nos irá conduzir até há pouco tempo atrás, à época em que o SCP foi campeão após um ciclo brilhante de 18 anos. Se bem se lembram esse título só foi possível devido às contratações que o SCP fez em Dezembro, correcto? André Cruz, Mpenza e César Prates vieram, de facto, trazer valor ao plantel.

Não terá sido este fenómeno das compras de Natal que colocou o Benfica onde está e os concorrentes directos um pouco mais abaixo?

O Benfica foi o único clube que contratou um jogador (Nuno Assis) e, repito, um, que trouxe alguma mais valia à equipa (Delibasic ainda ninguém conseguiu explicar e o André Luiz, segundo consta, é só para o ano que joga). O elemento que faltou durante a 1ª volta foi, sem sombra de dúvidas, um número 10. Existia o Roger, o jogador não interessava ao clube, e o Zahovic, o clube não interessava ao jogador. O Nuno Assis, não sendo um predestinado, é um elemento de utilidade visível e inquestionável.

Enquanto isso, a concorrência, voltou a bater no fundo, indo buscar elementos que nada trouxeram à sua equipa. O FCP, que precisava claramente de extremos, foi buscar o Pitbull, Bomfim, Leandro, Leo Lima e Ibson, basicamente, nada do que precisava. O SCP, por seu lado, precisava de um ponta de lança e, pelos vistos, continua a precisar, já que o PL que veio, o Motta, já está a ser negociado para sair. Estava dependente do Liedson e assim irá continuar.

Por isso, caríssima concorrência frustrada… culpem os administradores das vossas SAD’s em vez de perderem tempo a justificar situações evidentes e, acima de tudo, inteiramente merecidas.