quinta-feira, maio 26, 2005

mais um mail lindo...(autoria: teixeirinha)

O que eu sei por ler jornais...

- A melhor equipa do país ficou em 3º lugar no Campeonato, mas até podia ter ficado em 4º.

- O Campeão Nacional ficou em primeiro lugar. Por mais estranho que pareça.

- A melhor equipa do país foi eliminada da Taça e afastada do título pelo Campeão Nacional, que não é a melhor equipa do país.

- O Campeão Nacional está na final da Taça, e garantiu já igualmente lugar na próxima edição da Supertaça Cândido de Oliveira.

- A melhor equipa do país perdeu a final da Taça Uefa, em casa, perante o seu público, contra um clube mediano, que uns meses antes tinha eliminado o Campeão Nacional que, diziam, não tinha estofo europeu. Infelizmente a melhor equipa do país, que tem estofo para dar e vender, acabou por perder a tal da final em casa, por 1-3, resultado que nem o Campeão Nacional, que não é a melhor equipa do país, conseguiu superar: antes, houvera empatado 1-1.

- A melhor equipa do país tem um treinador fantástico. É um condutor de homens, exímio conhecedor das forças motivacionais e mestre no jogo táctico. Tem o condão de ser sereno e transmitir confiança à equipa desde o banco e de fazer substituições exactas. Ah, claro; nunca ganhou nada e é adepto do Campeão Nacional.

- O Campeão Nacional tem um treinador de segunda. Viu lenços brancos pelo menos 3 vezes (coisa que não se passou com o treinador da melhor equipa do país, claro...). Não percebe nada de futebol porque, na primeira jornada, um adjunto foi informá-lo que o jogador que ia entrar na equipa contrária não estava referenciado, só porque tinha chegado ao clube apenas 3 dias antes. Tão pouco percebe de táctica, apesar de ser um dos treinadores com mais troféus do Mundo, e de ter triunfado em três países, e em 5 equipas diferentes. Como dissemos, treinador de segunda.

- A melhor equipa do país tem um guarda-redes do outro mundo. Que nunca falha nos momentos decisivos, e tem sempre humildade q.b. para aceitar os seus erros. O guarda-redes da melhor equipa do país não grita que é «mão» quando sofre um golo limpo, para no dia seguinte vir dizer que «sofreu um empurrão».

- O Campeão Nacional não. Tem dois guarda-redes fraquinhos, capazes de sofrer golos impensáveis.

- A melhor equipa do país tem uma defesa de betão. Nunca falham, nunca escorregam, nunca se enganam e nunca têm dúvidas, são sempre seguros e estão sempre disponíveis para jogar, mesmo quando não estão «motivados».

- Os do Campeão Nacional, não. Falham, não têm segurança, estiveram sempre em baixo de forma durante toda a época. Basta terem uma unha partida e não treinarem toda a semana, para já não quererem jogar.

- A melhor equipa do país tem um meio campo de luxo. São todos bons, são todos tecnicistas, todos rápidos, todos geniais, todos imprescindíveis, todos prémio revelação.

- O meio campo do Campeão Nacional é fraquinho. O Petit quase não corre. O Manuel Fernandes quase não se mexe. E o Nuno Assis? O Nuno Assis era bom quando jogava no Guimarães, mas quando se mudou para o Campeão Nacional, passou a ser uma treta.

- Os extremos da melhor equipa do país, são pérolas do futebol nacional. Um deles dura 20 minutos em campo, e faz épocas milagrosas quando precisa de renovar o contrato, mas é um «grande capitão». Outro, passou 30 jornadas a aquecer o banco, e depois fez um centro para golo e marcou um livre directo, e é um génio. Outro ainda, detém a melhor marca para os 100 metros para um futebolista, é um grande atleta; pena não saber jogar à bola.

- Os do Campeão Nacional, não prestam. Simão e Giovanni são do mais mediano que existe em Portugal.

- Os avançados da melhor equipa do país, são incisivos, preponderantes, e estão sempre disponíveis para ajudar a sua equipa, como se pode ver na véspera dos dois jogos contra o Campeão Nacional, mostrando aí todo o seu profissionalismo, ora colocando a mão à bola, ora atirando com esta para fora e assim perder tempo. Para um deles, o conceito de calendário é relativo. Viu cartão amarelo? Antecipa-se o jogo da Taça, e está resolvido o problema. Para outros, o próprio conceito de «jogar à bola» é relativo... Basta marcar 3 golos num jogo, depois de uma época no banco, para ser ser um matador.

- Os do Campeão Nacional, não. Jogam contrariados, sem vontade, sem querer e sem garra. Mesmo aqueles que jogam com lesões, são inexplicavelmente incapazes de lutar e de correr, quando não são toscos.

- Os jogadores da melhor equipa do país têm um enorme respeito pelo seu treinador. Mandam-no tomar onde as costas acabam e as pernas começam, mas com carinho. Dizem-lhe que não querem jogar, mas por respeito. Não o cumprimentam quando são substituídos, mas porque estão suados e isso seria pouco higiénico.

- Os do Campeão Nacional não. São ordinários, insultuosos, arrogantes. Provocam os adversários e são capazes de chamar coisas impensáveis ao seu treinador, do tipo ?pai?.

- A melhor equipa do país sofreu "precalços" como o 3-0 com o Porto, 3-0 e 1-0 com o Marítimo, 2-0 em casa com o Penafiel, ou 4-2 com o Nacional, ou o 2-0 em Setúbal.

- O Campeão Nacional foi gozado, humilhado, banalizado, arrasado, ridicularizado, vergado, destruído e obliterado pelo Belenenses no Restelo e pelo Beira-Mar na Luz.

- O estádio da melhor equipa do país, esteve sempre cheio e os adeptos percorriam o país para onde quer que a equipa fosse.

- Os do Campeão Nacional não. Nunca esgotaram bilheteiras, não encheram estádios, nunca apoiaram a equipa.

- A melhor equipa do país teve 6 penalties a favor e 3 contra durante o campeonato.

- O Campeão Nacional, carregado ao colo até ao título, teve o escandaloso número de 5 penalties a favor e 3 contra, mas ainda longe dos tempos em que se ganhavam campeonatos com 20 penalties a favor, o que até deu para se ter o melhor marcador da Europa - será do Guaraná?