quarta-feira, julho 27, 2005

Caro Meia Distancia:

Uma coisa é ser doente ou fanático, uma outra completamente diferente é ser ou fazer-se de burro, estúpido ou outra coisa parecida.
Até à pouco mais de um ano, nenhum de vocês me ouviram dizer mal do Benfica fora da nossa casa (Estádio da Luz), pois entendia que o clube já tinha sido demasiadamente mal tratado e todos nós éramos poucos para lhe dar alguma credibilidade. Os meus argumentos, em qualquer café, eram lançados de forma incansável, muitas vezes sem eu próprio acreditar neles. Vejo futebol sozinho na luz desde os meus 13 anos e nunca deixei de lá por os pés. Vejo futebol ao teu lado desde os tempos do Damásio e como tal sabes bem que o que estou aqui a afirmar é em tudo verdade.
Porem desde que nosso novo estádio se ergueu, fiquei com a certeza que este seria um projecto vencedor, e que já ninguém pararia o Benfica. Como tal este já não é um coitadinho, é novamente o Maior, um gigante que apenas estava adormecido, e como tal tem que ser tratado como um gigante, tem que ter capacidade para ouvir discutido tudo o que de mal lá se passa, pois, já não precisa de ter vergonha de nada nem de ninguém, não temos de esconder nada, afinal somos os maiores.
O facto de não quereres discutir os assuntos do Maior com lagartos ou tripeiros, parece-me um bocado falta de confiança ou qualquer outro tipo de complexo. Eu não tenho medo de nada nem de ninguém, porque no final sei quem é que ganha sempre.
Quanto ao choro, não sei se chorei mais ou menos vezes do que tu, mas digo-te que pouca coisa me faz chorar, e no entanto tenho sentimentos. Chorar dá me vontade quando estou 12 horas numa fila para comprar um bilhete para ver o meu Benfica, acho que um sócio com 20 anos de associado merecia um bocado mais.
Quanto ao facto de me sentar no meu lugar e dizer mal da minha equipa, não o faço por gosto, como deves imaginar, mas eu para além de gostar muito do Benfica, também gosto muito, mas muito de futebol. Na era Camacho dava-me muito prazer ir ver futebol, porque a equipa jogava na realidade futebol. Ver futebol na era Trapalhoni, foi de facto um grande sacrifício, aquilo era tudo, menos futebol e isso não me dava nenhum prazer, mas como gosto do Benfica sentia-me na obrigação de ir.
Desde Abril que escrevi no meu MSN que cheirava a dobradinha, logo a minha afirmação em Maio era fruto do futebol que jogávamos. Fomos campeões, mas com muita sorte, mas também não há campeões sem sorte.
O texto vai longo, mas também me apetecia dizer algo sobre a saída do JVP. Foi a única atitude de jeito que o palhaço do Vale e Azevedo fez. Mas como tu sempre gostaste de chulos e vedetas que minem o balneário, percebo a tua ideia.

Saudações benfiquistas

2 Comments:

At 7/28/2005 12:44:00 da manhã, Blogger meia distância said...

Caro. Não... Caríssimo Menino:

A verdade é esta: o seu texto fez-me mais uma vez chorar. É isto o meu Benfica...
As recordações que tenho de ir ao antigo estádio, muitas vezes sozinho também. A primeira vez que fugi de casa, para ver o Bnefica, claro está... depois fui apanhado na estrada da Luz pelo meu Pai, mas acabei por ir ver a bola ao estádio (Benfica - Varzim; 5-0; 1977...ou 8)
Não queira de maneira nenhuma ser factor de desunião entre a nossa família. Muito pelo contrário. Não é uma questão de falta de confiança, ou complexo... o que eu acho é que há questões que são demasiado grandes para eles... os outros.
Também eu recebi a tua mensagem a dizer que cheira a dobradinha. E são essas coisas que eu gosto de ouvir de um Benfiquista.
Não sou nem mais, nem menos Benfiquista que os outros.
Não quero que sejam como eu.
Não sou o único que está certo.
Mas, por favor, não me peçam para não ser assim... Não me critiquem pelo meu facciosismo. Não me tornem mais doente do que eu já sou...
Eu adoro futebol, tal como tu, mas gosto mais ainda do Benfica.

Acima de tudo, e para todos os Benfiquistas:

E PLURIBUS UNUM!

SOMOS OS MAIORES!

 
At 7/28/2005 08:25:00 da manhã, Blogger O pé que está mais à mão said...

Vocês ainda põem o velho a chorar...

 

Enviar um comentário

<< Home